Trump apoia processo de paz no Oriente Médio mesmo sem solução de dois Estados

Trump apoia processo de paz no Oriente Médio mesmo sem solução de dois Estados


Gestão Trump pode enfraquecer proposta de paz que defende dois Estados na região Reuters


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apoia a busca da paz entre Israel e os palestinos, mesmo que ela não envolva uma solução de dois Estados, disse uma autoridade de primeiro escalão da Casa Branca na terça-feira (14).



Falando um dia antes de Trump receber o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na sede do governo, o funcionário disse que a paz é o objetivo final. 



"Quer isso venha na forma de uma solução de dois Estados, se for isso que as partes quiserem, ou outra coisa", disse, acrescentando que Trump não irá tentar "ditar" uma solução.



A eventualidade de um presidente norte-americano não apoiar explicitamente esse desfecho reverteria uma política que já dura décadas, defendida tanto por governos republicanos quanto democratas. A solução de dois Estados tem sido o fundamento da posição dos EUA para resolver o duradouro conflito israelo-palestino e tem estado no cerne dos esforços de paz internacionais.



"Eu gosto dele e ele gosta de mim", diz Trump sobre Obama em entrevista à TV americana



Qualquer sinal de um abrandamento no apoio de Washington a um futuro Estado palestino também poderia revoltar o mundo muçulmano, incluindo aliados árabes sunitas, que a gestão Trump necessita no combate ao Estado Islâmico e no apoio às iniciativas contra o xiita Irã.



Trump considera a paz no Oriente Médio "uma alta prioridade", disse a autoridade da Casa Branca. O presidente incumbiu seu genro, Jared Kushner, de negociar um acordo de paz.



"Gostaríamos de trabalhar nisso muito rapidamente", disse o funcionário.



O escolhido de Trump como embaixador dos EUA em Israel, David Friedman, ainda a ser confirmado pelo Senado, não irá participar das discussões do líder norte-americano com Netanyahu nesta quarta-feira, informou o funcionário.



Friedman advoga a construção de assentamentos e questiona a solução de dois Estados.



No início deste mês, a Casa Branca disse que a construção de assentamentos israelenses ou a ampliação dos já existentes em terras ocupadas pode não ajudar a se obter a paz.



A declaração representou uma mudança de tom de Trump, que durante a campanha eleitoral sinalizou que poderia ser mais complacente com projetos de assentamentos do que seu antecessor, Barack Obama.



Justiça americana mantém suspensão ao projeto que prevê a proibição da entrada de cidadãos de sete países



Fonte: r7.com

Outras Notícias

Cascata congelada desaba e mata 4 pessoas na Itália

Cascata congelada que desabou fica em Gressoney-Saint-Jean, em Aosta, no norte da Itáli...

Vice-presidente venezuelano chama sanção dos EUA de "agressão infame"

Tarek El Aissamirejeitou as acusações e sanções dos Estados Unidos contra ele por tráf...

Ex-miss italiana atingida por ácido tem olho operado

Gessica foi internada em 10 de janeiro em estado gravíssimo Reprodução/Facebook ...

Com medo de perseguição, refugiados hesitam em procuraratendimento médico no Brasil 

Mutirão de saúde em São Paulo atendeu 116 pessoas de 17 países Ana Luísa Vieira, do...

O trágico final do caso Etan Patz, o símbolo das crianças desaparecidas nos EUA

A foto de Etan junto à imagem de um anjo no memorial que lembra o seu desaparecimento ...

EUA acreditam que Rússia implantou novo míssil, violando tratado

O Kremlin afirmou que o país está comprometido com honrar suas obrigações internaciona...